O mercado do whisky raro tem whiskeys falsos

créditos The Whisky Ledger

Um aviso enviado por um negociante de whisky fez com que os laboratórios começassem a analisar o mercado do whisky raro. Por este motivo, o Scottish Universities Environmental Research Centre (SUERC) descobriu que 21 das 55 garrafas de whisky escocês vintage eram falsas ou não tinham sido destiladas no ano declarado. Estes valiam dezenas de milhares de libras.

Algumas das garrafas falsas incluíam uma garrafa do Ardbeg 1885 (um single malt), um raro Thorn’s Heritage do início do séculoXX (um blended whisky) e um Ardbeg malt engarrafado na década de 1960.

Revendedor Rare Whisky 101, com suspeitas

O negociante Rare Whisky 101 foi quem forneceu estas amostras depois de se ter apercebido de uma série de whiskies de malte raros fraudulentos e falsificados que estavam a ser oferecidos a outros negociantes e casas de leilões. Andy Simpson, da Rare Whisky 101, afirmou que os resultados do teste de carbono confirmaram a suspeita de que se tratava de garrafas falsas e mal rotuladas de malte vintage e blended scotch.

Em 2018, um single malt Macallan de 1878, comprado por 7 600 libras num hotel suíço por um milionário chinês, foi exposto como uma garrafa falsa. Um laboratório da Universidade de Oxford e uma empresa escocesa de análise de álcool analisaram-no, comprovando as suspeitas da Rare Whisky 101.

Atualmente, o mercado do whisky raro está em plena expansão a nível mundial. Os destiladores estão a investir fortemente em novas instalações para produzir e promover estes produtos. Com base no número de garrafas falsas encontradas em testes recentes, prevê-se que cerca de 41 milhões de libras de whisky raro que circulam em todo o mundo sejam falsas.

Dúvidas no mercado do whisky raro

De acordo com a Rare Whisky 101, estas evidências levantaram dúvidas sobre esta indústria. É necessário que o comércio de whisky raro seja abordado antes que cause danos a longo prazo ao mercado e à confiança dos consumidores. Andy Simpson afirma ainda que alguns destes whiskies falsos podem causar danos à saúde humana, uma vez que contêm ingredientes tóxicos e adulterados, que não são aceites pelas empresas de saúde e segurança.

Simpson acrescenta que “já comprou whisky falso no passado e é particularmente horrível quando descobres que pagaste dinheiro por algo e não é o que diz”? “As pessoas estão a enterrar as suas cabeças dizendo que não é um problema. É realmente um problema”?

Além disso, acrescenta Simpson, “queremos que as pessoas se sentem, que ouçam e que olhem para isto”? A sua orientação para clientes e negociantes é que “se for um single malt que declara ser anterior a 1900, assume que é culpado e depois prova que é inocente. Não encontrei nenhum inocente em 30 anos”?

A solução não é clara

Quando abres uma garrafa, o seu valor é imediatamente destruído. Isto torna impossível provar a sua proveniência ao tentar vendê-lo como um verdadeiro whisky raro. É necessário que haja uma polícia ou autoridades de segurança alimentar para resolver o problema. Desta forma, a garrafa fraudulenta seria retirada diretamente da sua fonte.

O diretor do laboratório SUERC, Professor Gordon Cook, afirma que construíram uma nova base de dados com amostras de whisky – fornecidas pelos destiladores. Isto permite aos investigadores testar e verificar amostras com precisão. Afirma que nem todas as amostras recolhidas eram falsas.

Cook acrescenta: “Recentemente, analisámos quatro garrafas de whisky antigo, supostamente destilado entre meados do século XIX e o início do séculoXX, para membros do público em geral. Destas, três eram genuínas, pelo que existem whiskies realmente antigos e raros”?

Para quem está no mercado dos whiskies raros, é necessário seguir estas notícias para perceber quais são os genuínos e quais são os falsos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Nenhum produto no carrinho.